Dress code, Estilo

Roupa de trabalho não precisa ser um uniforme

Roupa de trabalho não precisa ser um uniforme

Quando eu digo que roupa de trabalho não precisa ser um informe eu estou me referindo àquelas fórmulas que a gente já sabe que funciona, e fica repetindo sempre, com medo de errar, com medo de ousar, com medo de sair da zona de conforto.

Ao contrário do uniforme formalizado ou definido pela empresa, o uniforme criado para facilitar a nossa vida tem algumas diferenças, que acabam não fazendo grandes diferenças no resultado final. Esse uniforme pode ser calça e blazer pretos e camisa de botão, por exemplo, e você ter 30 camisas de cores e estampas diferentes, da mesma modelagem. Duvido que você não tenha feito isso alguma vez na vida ou não conheça alguém que já tenha feito ou que ainda faça isso!

Quando isso acontece, o que você está fazendo é gastando dinheiro pra ter variação, e tendo como único benefício o fato de ter mais peças para lavar e passar depois. É como o guarda-roupas da Mônica, que tem um monte de vestido vermelho do mesmo modelo, sabe? Só que nesse caso, o seu uniforme tem variação de cor e estampa.

Como não transformar a roupa de trabalho em uniforme?

Eu gosto de falar de roupa de trabalho porque como sou psicóloga e trabalhei 12 anos em Recursos Humanos antes de 2014, quando resolvi me dedicar exclusivamente à consultoria, e por isso imagem empresarial e dresscode é um assunto que me interessa, e que, modéstia a parte, eu entendo!

Como eu falei, você transforma a roupa de trabalho em uniforme porque repete fórmulas que já sabe que funcionam, e em certo nível, essa estratégia está certa. Mas, o ideal é entender PORQUE essas fórmulas funcionam, e então encontrar peças diferentes que tenham o mesmo requisito.

Vamos pensar na calça preta, blazer e camisa de botão do exemplo que eu dei (e que é o uniforme de trabalho de muita gente) e pensar nos principais possíveis motivos. Pra cada possível motivo, eu vou dar algumas sugestões pra você não transformar a roupa de trabalho em uniforme.

Mas, antes de falar dos exemplos, eu preciso falar sobre as mensagens que as roupas passam.

As mensagens que as roupas passam

Toda roupa passa uma mensagem. Isso não é novidade, mas é um assunto tão amplo que eu vou fazer um texto específico sobre isso. O que é importante você saber HOJE é que a mesma roupa pode passar mensagens diferentes de acordo com a forma que você usa a peça, e de acordo com quem vê essa peça, porque as pessoas são diferentes e mesmo que você queira parecer elegante e se veja elegante no espelho, alguém pode te achar brega, vulgar, criativa, sexy ou qualquer coisa diferente de elegante, porque o conceito de elegância dela é diferente do seu.

Então, quando o assunto é roupa, a gente tem que ter intenção e se vestir de acordo com o nosso conceito, porque é isso que vai garantir a sensação que a gente quer sentir. Mas, na hora de escolher a roupa de trabalho, não é só o nosso estilo e personalidade que pesam, e sim a nossa imagem profissional e carreira, porque nós vivemos em um mundo onde todo mundo é julgado pela forma que se veste.

Se alguém te julgar mal pela roupa que você usa no trabalho, você pode perder uma promoção (existem pesquisas que provam que quem se veste como o chefe tem mais chance de ser promovido e isso acontece porque ele te vê como um igual, e isso ajuda a te ver como tão competente quanto ele), e isso é diferente de ser julgada por uma roupa que você usou no shopping, e eu espero que todo mundo que leia esse texto entenda que estou falando nesse sentido!

Equilibrando a mensagem na roupa de trabalho

Pensando nessas mensagens que as roupas passam, você precisa entender que nível de formalidade o seu emprego pede, e juntar tantas informações forem necessárias para alcançar esse nível de formalidade no look. Se você considera uma calça de alfaiataria formal, o blazer uma peça formal, o preto uma cor formal, uma camisa de botão formal e o scarpin um sapato formal, se você montar um look com todos esses elementos, o resultado final será um look formal.

Se o nível de formalidade que você precisa não é tão alto, você pode fazer algumas substituições: Trocar o blazer preto por um blazer colorido ou por uma jaqueta preta já deixa o look menos formal, assim como trocar o scarpin por um mocassim, ou a calça preta por uma calça vermelha… entende? Quanto mais elementos formais, mais formal é o look. Quanto mais elementos informais, mais informal é o look. Tudo que for diferente pode ajudar a ficar no meio-termo!

Nesses dois looks de uma cliente, a gente mudou a terceira peça, e faz toda a diferença no resultado final. Com a jaqueta bomber estampada, o look fica mais informal do que com o blazer.

Porque você transforma a roupa de trabalho em uniforme

Agora vamos tentar entender porque você faz a calça preta, blazer e camisa de botão do exemplo um uniforme:

Preto combina com tudo

A grande maioria das pessoas opta pelo preto por ser uma cor neutra, que na teoria combina com qualquer cor, e se esse for o seu motivo, vale a pena ler esse texto aqui, que eu falo das cores neutras coloridas que podem substituir o preto maravilhosamente bem! Nos looks dessa cliente, por exemplo, ela usa a calça azul marinho com peças neutras, lisas e estampadas em cores diferentes:

Outra dica que pode funcionar é começar a ousar nas cores pela parte de baixo, porque como a gente se comunica com as pessoas através do rosto, a maioria das pessoas só observa o que está em volta do rosto, e é mais fácil alguém lembrar da cor da blusa que você usou ontem do que da cor da calça (ou se estava de calça ou de saia, por exemplo).

Preto é uma cor formal

Essas dicas também servem para quem usa a calça e o blazer preto pela formalidade que as cores neutras dão ao look. Talvez essa escolha não seja nem muito consciente, mas como temos uma influência de moda eurocentrada, essa visão de elegância inclui o uso dos neutros, e aí você já consegue trocar a calça e o blazer pretos por uma peça azul marinho, vinho, cinza, verde militar, mostarda, caramelo…

Outra dica que também funciona é “desconjuntar” os conjuntinhos, acrescentando mais uma cor ao look. Eu falei sobre looks de três cores aqui, e já fiz esse exercício com uma cliente da consultoria de estilo aqui no Rio que é juíza (dress code formal): Usa a calça preta com o blazer cinza, a calça cinza com o blazer vinho, a calça vinho com o blazer azul marinho… tem uma infinidade de combinações se a gente for pensar só nas cores neutras, e essas possibilidades aumentam ainda mais se você incluir uma peça colorida!

Eu sempre falo para as minhas clientes que o estilo pessoal vai além das teorias, e que mesmo sabendo que vinho é uma cor tão neutra quanto o preto, você pode gostar mais de um look com calça preta e blusa azul do que um look com calça vinho e blusa azul, por exemplo. Qual a dica aqui? EXPERIMENTAR! E não adianta experimentar uma blusa azul só não, porque tem tons diferentes de azul e o contraste pode interferir e você perceber que não usaria preto com azul marinho, mas usaria preto com azul bebê por exemplo (além da modelagem, que também pode interferir na sua decisão, é claro!).

Olha eu mostrando lá no instagram que o meu neutro favorito é o vinho e que funciona com tudo de acordo com o meu estilo e gosto pessoal:

View this post on Instagram

Vinho é o meu neutro colorido favorito. Tá na minha cartela e eu gosto de como fica na minha pele e como combina com as outras cores da minha coloração pessoal. 🎨 • • Ontem, indo pra Niterói fazer os dois atendimentos, eu pedi pra uma senhora tirar essa foto na barca pra mostrar o look pra vocês, pra inspirar o desapego do preto ⚫ (e tem preto na minha cartela, porque ela é bem escura – outono profundo) e mostrar uma combinação colorida com dois neutros (a blusa é mostarda) mas queria saber uma coisa: você gosta de ver os meus looks aqui 👖👚👟🕶👜, com as dicas e explicações, ou prefere ver só a rotina do trabalho da consultoria de estilo e os looks das clientes? Me fala? 💬 • • • #consultoriadeestilo #personalstylist #estilo #rj #estilopessoal #vestindoautoestima #dicadeestilo #suascores #analisedecoloracaopessoal #niterói #maiscorporfavor #cores #lookdodia #ootd

A post shared by Vestindo Autoestima (@vestindoautoestima) on

A calça é confortável

Pega a calça que você usa e tenta entender se gosta dessa peça por causa do tecido dela. Talvez você goste do fato de ela ser confortável, de não limitar os movimentos, de não deixar a calcinha aparecendo quando você abaixa, de não precisar usar cinto, ou qualquer outra sensação física, como não esquentar muito, por exemplo.

Se esse for o seu motivo, você precisa olhar a etiqueta interna da calça e ver a composição do tecido, e sair com isso decoradinho enquanto procura por peças com esses requisitos nas lojas.

Esse conforto também pode estar relacionado com a modelagem da calça. Existem muitos modelos de calça hoje, e se você se sente confortável numa calça mais justa, não existe só a skinny, e se prefere as mais largas, também vai encontrar conforto além da pantalona.

Esses 3 looks de uma cliente da consultoria de estilo online com a mesma camisa mostram que a modelagem diferente dá um resultado diferente no estilo e silhueta, mas passam a mesma mensagem de formalidade e criatividade na medida certa para o trabalho dela, e todos os modelos confortáveis.

Mas, você só vai conseguir procurar pelo conforto, se souber que é isso que está buscando, e por isso definir a prioridade é o passo inicial da consultoria de estilo, entende que isso é importante? Aí fica mais fácil escolher uma outra peça tão confortável quanto essa atual numa modelagem diferente, assim como evitar comprar um modelo que não vai garantir o conforto que você quer sentir. Ó a fórmula da compra assertiva aqui (e nesse texto aqui também!)! 🙂

A alfaiataria tem cara de roupa de trabalho

A peça de alfaiataria tem uma modelagem e tecido mais formais, e por isso é aquele tipo de roupa que tem cara de roupa de trabalho, sabe? Isso ajuda a deixar o look com uma pegada mais profissional, e por isso é a opção de muita gente que não quer errar na hora de escolher a roupa de trabalho.

Apesar disso ser uma verdade (também por conta dessa cultura eurocentrada), não é a única forma de parecer que você está com roupa de trabalho. Esse assunto é muito amplo, e merece um texto só falando sobre isso, mas o exercício que você pode fazer é experimentar peças diferentes com elementos que se repetem nas peças que funcionam, e tentar entender o que você sente ao ver a sua imagem no espelho, se acha que funcionou ou não, e porque não funcionou.

Pode ser uma calça de alfaiataria cinza ao invés de uma preta, ou uma calça de alfaiataria preta num tecido diferente, ou uma calça de alfaiataria preta numa modelagem diferente, por exemplo. No lugar da camisa de botão, pode ser uma camisa de manga comprida sem botão, por exemplo, que tem uma diferença sutil. Também pode usar uma blusa de tecido plano em outra modelagem em cor mais neutra ou com estampas mais clássicas como o xadrez, o poá e as listras, porque a modelagem diferente junta com elementos mais formais também vai ajudar a equilibrar as mensagens.

Nesses dois looks, a minha cliente está com dois blazers de moletom. A modelagem é de alfaiataria, mas o tecido é informal, e o segundo também tem cor e estampa informais. Esse é um bom exemplo de como equilibrar as mensagens: Ela está mais arrumadinha do que se ela estivesse com uma jaqueta jeans, por exemplo, mas menos formal do que ela estaria com um blazer de tecido. É o meio-termo ideal pra ela!

Calça, camisa e blazer são roupas masculinas

Por último, mas não menos importante, precisamos considerar o fato de a gente viver num mundo machista e onde as mulheres ainda não ganham o mesmo salário que homens e ainda são consideradas mais frágeis e menos competentes.

Isso influencia na escolha da roupa de trabalho porque tudo que é visto como feminino (como vestido, saia, cores claras e estampas delicadas como animal print e floral, por exemplo) deixa o look de trabalho mais feminino, e por isso, a imagem profissional PODE ser vista como inferior ao de um homem no mesmo cargo ou até mesmo num cargo inferior (“a chefe mulher não é tão boa quanto o funcionário”, por exemplo).

O contrário passa uma imagem oposta, ou seja, tudo que é visto como masculino (como a calça comprida, o blazer e a camisa de botão que usei no exemplo, assim como as cores mais neutras) é associado à força e poder, e por isso ajudam a deixar a imagem profissional mais forte. Aliás, eu vi na psicologia uma teoria que Freud explicava isso também! rsrs

Comparando os dois looks dessa cliente, a gente vê que ela está com o mesmo sapato de oncinha, a mesma blusa e a mesma parka, e que a parte de baixo é na mesma cor (vinho). Os dois looks têm o nível de formalidade que ela precisa no trabalho dela, e o nível de criatividade que ela precisa, mas o segundo look, com a saia, é visto como mais feminino que o primeiro, com a calça. E se a pessoa que estiver olhando pra ela tiver uma ideia de que homem é mais competente que mulher, o primeiro look é melhor pra imagem profissional dela nessa empresa que o segundo. Entende?

A gente pode não concordar, e fazer a nossa parte pra mudar isso, mas também precisamos considerar que a gente é vista de acordo com a forma que o outro nos vê, que é diferente da nossa forma e a nossa intenção!

Aqui também vale usar mensagens opostas para diminuir o impacto da mensagem recebida no look. Uma vez eu tive uma cliente super jovem que era gerente de marketing numa empresa super tradicional e que tinha a maioria de gerentes homens mais velhos (o que é o mais comum, né?), e montamos alguns looks femininos pra combinar com o estilo dela, mas que não deixasse ela tão “frágil”.

Como o dress code dela permitia, tinha coordenação de cores complementares (que é mais informal) entre a blusa e o sapato, e as peças florais eram em cores mais escuras ou neutras, pra deixar o look menos delicado. Lembra das mensagens? Flor é delicado, cor neutra é formal, claro é feminino, neutro é masculino, flor rosa é delicado, flor em cor neutra é menos delicado! Aí ela fica no meio-termo, meiga mas nem tanto. Delicada, mas nem tanto. Profissional, mas criativa. Feminina, mas forte!

Roupa de trabalho não precisa ser um uniforme

Como eu falei, esse assunto é muito amplo, e essas dicas são apenas algumas das muitas possibilidades de tirar a roupa de trabalho da zona de conforto, de acordo com o seu motivo pra usar uma roupa de trabalho que pareça um uniforme!

Não adianta comprar ou se vestir de maneira automática sem entender o propósito da sua roupa, e por isso eu falei que estilo é intenção. Eu falei que as pessoas podem nos ver de um jeito diferente do que a gente gostaria de comunicar (a nossa intenção), e depois falar pra se vestir de acordo com a sua intenção pode parecer contraditório, mas é a única coisa que a gente pode controlar, né?

Então, se preocupe em entender a sua intenção e a mensagem que quer transmitir com o seu uniforme de trabalho, e depois de entender a sua intenção e o que você gosta ou não, fica mais fácil pensar em fazer substituições, assim como tudo fica mais fácil depois que a gente se conhece mais! Eu falo isso porque acontece comigo e porque eu vejo isso acontecendo com as minhas clientes da consultoria de estilo o tempo todo! Experimenta e me conta depois! 🙂

Facebook Comments

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *