Cuidado com as roupas

Qual a melhor forma de lavar a roupa?

Qual a melhor forma de lavar a roupa?

Hoje é sábado e muita gente vai lavar a roupa que acumulou durante a semana, e a grande maioria vai lavar como eu lavei as minhas roupas durante grande parte da minha vida – assim como a maioria das minhas clientes: separando as peças por cor.

É muito comum as pessoas separarem as roupas brancas para lavarem juntas, os jeans, as roupas pretas e as coloridas e foi exatamente assim que a minha mãe me ensinou a fazer antes de ela morrer, quando eu tinha 19 anos. E foi exatamente assim que eu fiz até fazer o curso de consultoria de estilo e começar a estudar mais sobre tecido, para ensinar às clientes quais os melhores para o verão e os dias mais frios, que tecido dura mais e qual deles dá menos trabalho na hora da manutenção (lavar, passar e guardar), por exemplo, e foi nessa época que eu também aprendi que a melhor forma de lavar a roupa é separar as peças por tipo de tecido.

Eu já falei aqui sobre a importância de ler a etiqueta interna das roupas, e a verdade é que se a gente não presta a atenção nessas informações, a gente está jogando dinheiro fora, porque a roupa não vai durar tanto quanto poderia.

A gente acha que está fazendo o certo ao economizar energia e água porque juntou um monte de roupas brancas e lavou uma vez só, e mistura peças de linho, de malha, de poliéster e de seda, diminuindo a vida útil das peças e gastando muito mais depois de algum tempo, para substituir a peça.

Porque lavar a roupa de acordo com o tecido?

Cada tecido exige um tipo de cuidado diferente, seja por causa do tipo de produção ou pela forma que o material reage aos produtos, e até à temperatura da água.

Alguns tecidos devem ser lavados com água fria ou em temperatura natural, porque alguns encolhem em contato com a água quente, e por isso toda roupa precisa ter as instruções de lavagem e passadoria na etiqueta. Clica aqui para entender melhor os símbolos da etiqueta interna das roupas.

Alguns tecidos não aguentam uma lavagem mais pesada, e precisam ser lavados na programação mais leve na máquina. Existem também os tecidos que precisam ser lavados à mão ou a seco, e se você não tem tempo ou dinheiro para isso, é melhor nem comprar a peça, porque ela vai durar pouco, que é sinônimo de dinheiro jogado fora.

O que acontece se lavar peças de tecidos diferentes juntas?

Quando a gente separa só as peças brancas no dia de lavar a roupa, e coloca tudo junto na máquina (como eu fiz grande parte da minha vida), algumas delas vão crescer, outras vão encolher, vão sair peças com bolinha, e pode acontecer de algumas nem ficarem limpas de verdade – porque precisavam de uma lavagem mais pesada ou de um produto específico, por exemplo.

Por isso, a melhor forma de lavar a roupa é separar as peças de acordo com o tipo de fibras, ou seja, lavar as peças brancas de tecidos naturais e depois as peças brancas de tecidos sintéticos, e repetir o processo quando for lavar a roupa colorida – e com os tecidos misturados (com 50% algodão e 50% viscose, que é um tecido artificial, que é diferente de sintético, como vou falar em breve aqui no site).

E também acontece de as marcas fazerem um produto que tenha a parte externa de um tecido mais nobre, para ter um bom caimento, e colocar um forro de poliéster, que esquenta e não deixa o corpo respirar, segurando o cheiro de suor.

Quem nunca teve um blazer com o forro maior que a manga? Provavelmente isso aconteceu na lavagem, já que alguns tecidos encolhem e outros não!

Quando eu conheço o guarda-roupas da cliente, a ideia não é julgar ⚠ ou condenar ☠ as peças e sim ajudar a entender porque as peças não são usadas, e dar a ela mais opções de coordenação.💪 . . Consultoria de estilo = repertório de escolha! 😎 Quem decide é sempre a cliente, mas dessa vez de forma consciente, e não automática! ✔ . . Esse blazer por exemplo. Agora que a Ju sabe que ele não é usado por causa do tecido do forro dele, ela pode decidir se vai manter ele no guarda-roupas ou não, se vai usar só nos dias mais frios, ou se vai se desfazer dele. . E o que é melhor: agora ela vai olhar a etiqueta de composição da peça antes de comprar, e não vai ter mais nenhuma peça parada no guarda-roupas por esse motivo! Bpm demais, né? ❤ . Eu falo sobre o que olhar na etiqueta interna das peças lá no blog, e em breve entra um texto sobre qual a melhor forma de lavar as peças. Clica no link da bio 💻 e busca por "etiqueta interna" pra aprender também! 😘 . . . #consultoriadeestilo #personalstylist #estilo #dicadeestilo #tecidosnaturais #verãocarioca #etiquetadasroupas #guardaroupasdacliente #consumoconsciente #vestindoautoestima

A post shared by Vestindo Autoestima (@vestindoautoestima) on

Parece trabalhoso, mas quando você descobre que gosta mais de poliéster (fibras sintéticas) porque são mais fáceis de passar, ou que as roupas de algodão (fibras naturais) são um bom investimento porque deixam a sua pele transpirar melhor, a ideia é que o seu guarda-roupas não tenha tanta variedade assim. Veja as diferenças entre o algodão e o poliéster aqui.

E é por isso que eu digo que estilo sem autoconhecimento não existe! Se você nunca parou pra pensar no que é importante pra você e nos critérios na hora de comprar uma roupa, está na hora de começar. E se precisar de ajuda, me chama!

 

Facebook Comments

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *