Autoestima, Corpo

Tipo de corpo: Desista de saber o seu

Tipo de corpo: Desista de saber o seu

Ampulheta, Pêra, Retângulo, Triângulo Invertido, Oval… O que fazer depois de descobrir o seu tipo de corpo?

Muita gente quer descobrir o tipo de corpo para procurar dicas sobre o que vestir e saber as “roupas ideais”, e acaba seguindo algumas “regras” que não servem pra ela, ou que não fazem ela se sentir mais bonita quando se olha no espelho. Vou explicar porque isso acontece:

Na consultoria de estilo, eu não falo para a cliente qual é o tipo de corpo dela e não trabalho com essa informação. Na etapa de análise de silhueta eu só considero (e você também deveria) o que a cliente gosta mais e o que ela gosta menos no corpo dela. E a partir dessa informação, eu ajudo a evidenciar o que ela gosta mais e disfarçar o que ela não gosta tanto assim.

Então, se o corpo dela é do tipo Triângulo Invertido e ela não se incomoda com os ombros largos, eu não vou sugerir que ela evite blusas com decote ombro-a-ombro, por exemplo, porque eles evidenciam os ombros largos, porque isso não é um problema pra ela, mas se ela buscar informações sobre roupa ideal pro tipo de corpo dela, é provável que tenha essa dica, generalizando que todas as mulheres com esse tipo de corpo querem disfarçar os ombros largos.

Como se sentir mais bonita?

Quando você se baseia apenas pelo tipo de corpo, você pode fazer exatamente o contrário do que precisa para se sentir bonita. Sabe porque? Porque uma mulher que tem o corpo ampulheta pode adorar o quadril largo e querer evidenciar as suas curvas, enquanto outra com o mesmo tipo de corpo, morre de vergonha das suas curvas avantajadas e prefere disfarçar. Uma maneira de você gostar ainda mais da imagem que vê no espelho é evidenciar as partes que você mais gosta e disfarçar o que menos gosta, e ninguém melhor que você para saber isso.

Por isso, mais importante que saber o seu tipo de corpo é saber o que você gosta no seu corpo e quer evidenciar, e o que você não gosta tanto assim e gostaria de disfarçar. Por isso, a metodologia do meu trabalho como consultora de estilo é baseada no autoconhecimento: eu e a cliente descobrimos o que ela gosta ou não no corpo dela, o seu estilo, a imagem que ela quer transmitr, as suas prioridades, a sua rotina…

As dicas que “entendedores do assunto” dão na internet podem ser muito úteis, mas a minha dica é que da próxima vez você tente buscar informações mais específicas para o que você quer: como disfarçar a barriga, como valorizar o bumbum, como parecer ter seios maiores, como parecer mais alta, etc.

E lembre-se que você é ÚNICA e que as dicas que servem para outras pessoas podem não servir pra você. A ideia é você se sentir bem com o corpo que tem e isso inclui assumir as suas curvas (ou a falta delas), usando roupas que te ajudem a equilibrar as proporções, ou mudando o que você gostaria de mudar. O importante é que a sua autoestima esteja lá em cima!

Como equilibrar a silhueta

Para equilibrar a silhueta eu uso na consultoria de estilo uma técnica chamada “Teoria Robin Hood”, que tira de quem tem muito (quadris, por exemplo) pra dar pra quem tem pouco (seios, por exemplo). Isso ajuda a aumentar a parte do corpo que você tem menos e diminuir onde você tem mais. Mas você também pode equilibrar a silhueta chamando a atenção para a parte que você gosta mais e desviando a atenção de onde você gosta menos, independente de ser a maior ou menor parte do seu corpo, porque, como vimos, você pode gostar das partes maiores ou menores!

Anota aí: Tudo que chama menos atenção ajuda a disfarçar e a retrair visualmente, como cores opacas, escuras e neutras, peças lisas e com poucos detalhes e estampas pequenas e com pouco contraste. Cores coloridas, estampas grandes, detalhes e texturas chamam a atenção e aumentam visualmente.

Se você quiser chamar a atenção (ou aumentar) os quadris, e disfarçar os seios pequenos, por exemplo, vale usar blusas de cores mais escuras que a calça, ou usar uma saia estampada com uma blusa lisa, se for fazer um mix de estampas, usar uma peça com estampas maiores na parte de baixo e estampas menores na parte de cima, entre outros exemplos.

O número na etiqueta é só um número! Importante mesmo é você perceber que apesar de querer mudar algumas coisas no seu corpo, vai perceber que é linda, apesar desses “defeitinhos” que você vê no espelho! Se olhe com carinho e comece a focar no que você tem de mais bonito, ao invés de se lamentar pelo que podia ser diferente!

Facebook Comments