Consultoria de estilo

Guarda-roupas inteligente em 5 passos

Guarda-roupas inteligente em 5 passos

O guarda-roupas inteligente é aquele que funciona, fala bem de você e te ajuda ao invés de atrapalhar. Aquele que você abre no escuro, escolhe uma peça de cima e uma de baixo e elas combinam entre si, com o seu corpo e o seu estilo, sem precisar gastar muito tempo e nem ter a sensação de que não tem o que vestir. O seu é assim? Não? Então, esse texto é pra você.

Essas cinco dicas são a base do guarda-roupas inteligente, que é o que eu ensino para as minhas clientes da consultoria de estilo

1. Ter menos peças

Eu já mostrei aqui nesse texto como montar um armário cápsula, e um dos e-books bônus do meu curso online também dá o passo-a-passo para você ter menos peças no guarda-roupas, mas se você não quiser ser “tão radical assim”, dá pra tirar só o excesso, aquilo que só está ali pra você dizer que tem, pra quem sabe um dia você precisar, ou emagrecer, ou engordar, ou sentir vontade de usar de novo, ou ter uma situação que você possa usar, ou voltar a malhar, ou se mudar pra praia, ou ser promovida…

Essa dica também vale (principalmente!!!!) para aquelas peças que você tem em muita quantidade, mas que só muda a cor, ou a estampa, ou o tecido, como camisas de botão, calças sociais pretas, camisetas de malha, calças jeans, etc., e você vai entender porque no próximo tópico.

2. Ter mais variedade

A primeira dica era “ter menos peças” e talvez falar em ter mais variedade pareça controverso pra você, mas a ideia é que ao invés de você ter 3 saias lápis,você tenha 1 saia lápis, 1 skater e uma midi. Ao invés de ter 4 vestidos tubinhos estampados, tenha 4 vestidos de modelos e comprimentos diferentes, e por aí vai, porque peças diferentes, fazem coordenações diferentes, e peças iguais, mesmo de cores e estampas diferentes, fazem coordenações iguais (e deixam a silhueta igual – para o bem e para o mal).

É super normal a gente querer repetir aquele modelo que valoriza o nosso corpo, que a gente se sente bonita, que a gente sabe que funciona… mas não dá pra andar de uniforme, né? Se você se permitir experimentar outras opções, vai ver que consegue resultados tão bons quanto com peças diferentes. Eu vejo isso acontecer o tempo todo com as minhas clientes da consultoria de estilo!

3. Ter mais peças de cima que partes de baixo

A gente se comunica através do rosto, né? Então, é mais fácil as pessoas repararem quando você repete uma peça de cima do que quando você repete uma peça da parte de baixo (mesmo a parte de baixo sendo colorida ou estampada). Sem contar que para o trabalho, por exemplo, dependendo do dress code, existem mais opções de modelos de blusas e camisas do que de calças e saias, e aí a cada blusa ou camisa diferente, a calça ou a saia parecem uma peça diferente.

A proporção IDEAL é de 5 partes de cima para cada parte de baixo, mas você pode começar tentando fazer 3 coordenações bem diferentes entre si com cada parte de baixo e ir aprimorando com o tempo!

No dia da montagem de looks, que é a última etapa da consultoria de estilo (e que também pode ser contratada separadamente ) eu monto pelo menos 5 looks com cada parte de baixo, para a cliente saber o que pensar quando comprar novas peças, porque essa é a proporção ideal do guarda-roupas. ⚠ Quanto mais combinações a peça render, mais ela vale a pena. 💪 E pra peça render, ela precisa ser a sua cara, combinar com o seu estilo e ser de uma cor que combine bem com as outras que você tem. 😉 Sem esses requisitos, você só consegue usar a peça sempre do mesmo jeito, fazendo dela um uniforme sem graça e sem potencial! 👎 #consultoriadeestilo #personalstylist #montagemdelooks #lookdacliente #vestindoautoestima #dicadeestilo

A post shared by Vestindo Autoestima (@vestindoautoestima) on

4. Ter peças de cores que combinem entre si

Quando eu faço a análise de coloração da cliente, mais do que ela saber quais as cores que mais vão valorizar a coloração pessoal dela, ela entende quais cores de roupas ela pode comprar para combinar com as peças que ela já tem, com a ajuda da sua cartela e do círculo cromático.

Aliás, é MUITO importante lembrar das peças que você tem em casa na hora de comprar uma peça colorida, para tentar fazer a coordenação com peças de cores diferentes, e fazer a peça ser o mais versátil possível. De nada adianta sair da loja se sentindo A OUSADA com uma camisa laranja na sacola e só usar ela com calça jeans ou com calça preta! Pega o círculo cromático e vê que cores que combinam com a cor da peça que você gostou, e lembra do que você tem no guarda-roupas que vai poder usar com ela.

Por exemplo: Verde é uma cor análoga ao azul e complementar do vermelho. Ao comprar uma blusa verde, pense em peças de baixo que você tem em azul ou vermelho (pode ser uma peça estampada que tenha essas cores), e também serve sapato, brinco, colar, echarpe, bolsa, etc. Quanto mais peças de cores que combinem entre si, mais possibilidades você vai ter! É o mesmo conceito para fazer uma mala inteligente, por exemplo!

5. Ter peças de qualidade

Nesse texto aqui eu falo que nem sempre a gente pode comprar uma peça cara, e que nem sempre o preço da peça está relacionado com a qualidade dela, ou seja, existem peças baratas e de boa qualidade, e peças caras que não vão durar até você acabar de pagar ela. E pensar nisso também é consumo consciente, porque essa atitude precisa começar em você.

Tudo isso eu ensino pra cliente no dia de compras, mas mesmo que a gente tenha experimentado peças de muita qualidade e que não caibam no orçamento dela, eu sempre explico que é importante tentar comprar a peça com a melhor qualidade que o orçamento dela puder pagar, mesmo que não dure tanto, ou que não seja tão boa quanto, para fazer valer o custo benefício, que eu ensino a calcular aqui.

Guarda-roupas inteligente na prática

Nesse vídeo, registrado na semana passada depois da revitalização do guarda-roupas da cliente, você consegue ver o resumo desses 5 tópicos, ou seja, o resultado de ter deixado o guarda-roupas da minha cliente mais inteligente e funcional.

Como eu falo no vídeo, que mandei pra filha da cliente (que foi quem me contratou, pra dar a consultoria de estilo de presente pra mãe, que tinha MUITA roupa e não usava quase nada), eu:

  1. reduzimos (eu e a cliente) a quantidade de peças que ela tinha, tirando o excesso de peças repetidas que não faziam diferença nenhuma e só atrapalhava, e deixamos peças diferentes para ela ter variedade;
  2. deixamos só as peças de cores que combinam entre si (e com a coloração pessoal dela);
  3. mantivemos só as peças de mais qualidade e que vestiam bem nela, deixando ela mais bonita;
  4. deixamos ela com mais peças de cima do que peças de baixo, pra ela ter mais versatilidade.

 

Facebook Comments

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *