Consultoria de estilo, Consumo Consciente

Como comprar como uma consultora de estilo

Como comprar como uma consultora de estilo

Nas últimas duas semanas dois vídeos que eu postei lá no meu instagram fizeram sucesso, e apesar de serem de etapas diferentes da consultoria de estilo, os dois falam sobre o fato de a maioria das pessoas comprarem errado. Por isso, o texto de hoje está cheio de dicas pra você saber como comprar como uma consultora de estilo!

O primeiro vídeo aqui embaixo mostra uma compra que eu fiz com uma cliente da consultoria de estilo aqui do RJ, que tinha algumas demandas muito específicas:

  • Ela precisava de muitas peças para um guarda-roupas provisório, já que ela está em transição de peso e não ia usar muito nenhuma das roupas, mas precisava se gostar durante o tempo que ela levasse pra voltar pro peso ideal;
  • A coloração pessoal dela é Outono puro, e isso inclui cores terrosas e quentes, que não são muito comuns nas coleções de inverno;
  • Ela só pode usar roupas lisas, sem estampas ou informações visuais que chamem a atenção, por causa do seu dress code profissional (ela é repórter).

Sabendo disso tudo, eu marquei com ela no brechó 21 arte, na Tijuca, e quando ela chegou lá, já estava tudo separadinho, no tamanho, cor e estilo certinhos, pra ela experimentar, gostar (ou não) e pagar! Esse é o vídeo:

Vou mostrar o segundo vídeo a seguir, mas antes vou dar algumas dicas importantes:

O que considerar para comprar como uma consultora de estilo?

Vale a pena dizer que o processo inteiro foi bem sucedido porque reunimos vários fatores, que a maioria das pessoas não leva em conta na hora da compra – e por isso compra errado. Esses são os fatores que você também deve considerar pra comprar como uma consultora de estilo:

  • O que você precisa comprar? – Quando eu cheguei no brechó ou vou a uma loja para a etapa de compras pra uma cliente, eu sei exatamente o que ela precisa comprar, o que vai fazer a diferença na vida dela, o que vai fazer os looks dela renderem, o que combina com a rotina dela, a coloração pessoal dela, o que faz o corpo dela ficar bonito, etc. Então, faz uma listinha no celular com as peças que você PRECISA, o que é prioridade, e o que você QUER, porque é bem diferente, né? Daí você vai entrar nas lojas já sabendo o que procurar, e isso também ajuda a não comprar coisas fora da listinha = consumo consciente = economia!!
  • O que você já tem em casa? – Não adianta só gostar de uma peça e comprar no impulso sem pensar no que você já tem em casa. Eu já falei aqui várias vezes que um guarda-roupas versátil, que rende vários looks, precisa ter peças que rendam pelo menos 3 looks diferentes, e pra isso, você precisa pensar nas peças que já tem pra saber se essa peça nova vai combinar com elas, ou se você vai precisar comprar alguma coisa pra conseguir usar ela. Também é importante pensar nisso pra evitar comprar um monte de peças iguais, seja porque não lembrava que tinha (isso acontece muito, até com quem tem pouca roupa!), seja pra evitar a sensação de que não tem nada pra vestir, já que tudo que você tem é igualzinho e parece a mesma coisa sempre, como eu mostrei no tal segundo vídeo, aqui embaixo:

  • O que é importante pra você? – Esse assunto é tão amplo que nem um texto falando só disso dá conta, mas a gente pode começar entendendo que não existe estilo sem autoconhecimento, e a metodologia do meu trabalho não funciona sem que eu conduza a cliente ao autoconhecimento, sem a gente descobrir o que é importante pra ela. Ela precisa se sentir confortável? Ela precisa se sentir sexy, poderosa? É importante estar adequada, seguindo regrinhas de dress code? Eu falei aqui que muitas vezes a gente deixa uma roupa bonita parada no guarda-roupas porque só achar uma roupa bonita não é o suficiente pra gente conseguir usá-la! Eu mesma, acho LINDO sapato de salto alto, mas morro de dor nas pernas e na coluna, e parei de comprar quando descobri que a minha prioridade era conforto, e que além de não ser coerente, isso me fazia mal.
  • Porque você gosta das suas peças favoritas? – Uma das coisas que eu sempre falo para as minhas clientes é que a consultoria de estilo tira as compras e o se vestir do automático, e que por isso o processo funciona. Então, pega as suas roupas favoritas e tenta entender porque gosta delas. É a cor? A estampa? O tecido? O caimento? A modelagem? A forma como deixa o seu corpo? É a mensagem que você passa quando está com ela? Você precisa saber isso pra procurar essas mesmas qualidades em outras peças.
  • Porque você não consegue usar as roupas que ficam paradas no guarda-roupas? – Falei isso ali em cima e vou falar de novo: Pra comprar certo (comprar como uma consultora de estilo) você precisa se conhecer, e saber o que aquela roupa que você acha linda ainda está com etiqueta dentro do guarda-roupas. Eu falo sobre isso aqui, e pode te ajudar a pensar melhor sobre o assunto, porque quando você descobrir, você não vai mais comprar peças parecidas, porque vai lembrar que tinha uma com o mesmo problema e que você não usou! Tudo bem você achar uma coisa bonita e ela não servir ou funcionar pra você! 🙂
  • Como é a sua rotina? – Não adianta você sair comprando um monte de peças de paetê ou de balada se você só sai à noite uma vez por mês. Também não adianta comprar um monte de sapato alto se você vai pro trabalho de ônibus e precisa andar pra caramba. Não vale comprar várias “roupas de trabalho” se hoje usa uniforme, só porque você gostaria de se vestir profissionalmente assim.
  • O que é caro e barato pra você? – Apesar de cada pessoa ter um conceito do que é caro e barato quando o assunto é roupa, vamos convencionar que roupa barata é aquela que dura muito e permite que você use pra caramba, porque combina com tudo que você tem e é a sua cara, e que roupa cara é aquela que você usa uma vez só no ano, ou só usa de um jeito, ou – pior!, aquela que você não consegue usar. Clica aqui pra aprender a calcular o custo benefício das peças, porque é assim que se compra como uma consultora de estilo!
  • Qual a sua coloração pessoal? – Se você sabe quais as cores que te favorecem, porque ao invés de comprar uma peça da cor que valoriza a sua beleza, você vai comprar uma cor errada que vai te deixar com cara de cansada / abatida e não vai combinar com as roupas que você tem?
  • O que você gosta mais e o que gosta menos no seu corpo? – outro assunto que é impossível falar em poucas palavras, mas que preciso citar. O processo de autoconhecimento passa por se olhar com carinho e cuidado e entender que tem uma parte do corpo que a gente queria que fosse diferente, mas que a gente tem umas coisas bem legais também, então, na hora de comprar roupa, você precisa olhar pro caimento da roupa nas partes que você não gosta, e tentar focar, chamar a atenção pro que você tem de mais bonito. Sabe a história do copo meio cheio ou meio vazio? Você pode se ver como alguém que tem uma barriguinha feia, ou pode se ver como alguém que apesar da barriguinha, tem pernas lindas, cabelos sedosos e um sorriso perfeito! Existem várias técnicas para fazer isso, mas pra falar resumidamente, vale dizer que tudo que se destaca, aumenta a atenção pra parte que cobre. Então, use cores vivas e claras, estampas, detalhes, bordados, recortes, pregas, transparências onde você quer destacar e valorizar, e o resultado será uma imagem mais positiva no espelho! 🙂

Eu poderia falar mais vários fatores, porque cada cliente da consultoria de estilo tem uma demanda diferente, e provavelmente você também deve considerar outros fatores que não estão aqui, mas essa listinha já é o suficiente pra dificultar o processo. Sim, dificultar! O sistema faz ser fácil, te oferecendo um monte de opção, pra você parcelar e levar pra casa tão facilmente que só depois você percebe que comprou errado, que não gostou tanto assim, e nem tem onde usar…

Além dessa listinha, você também precisa observar um monte de coisas dentro do provador. Pronta? Então vamos lá:

O que observar numa roupa para comprar como uma consultora de estilo?

Muita gente compra errado porque se olha errado no provador. A maioria das pessoas nem se lembra que nós somos 3D, e que tem gente que vai ver a gente de frente, de lado e de costas, e por isso você precisa se olhar inteira. Ás vezes a peça caiu bem na frente, mas atrás não ficou lá essas coisas. Também tem aquelas peças que você só pode usar em pé, porque se sentar você fica nua, a calcinha aparece, as pernas aparecem demais, o cofrinho fica de fora, marca a barriga, etc., então anota aí tudo que eu ia observar numa roupa antes de indicar que você comprasse, se você fosse minha cliente:

  • A etiqueta interna da peça: Na etiqueta tem informações sobre o tecido, os cuidados que a peça demanda na hora de lavar e passar e onde foi produzida, e isso fala sobre o tempo que você vai precisar dedicar a ela (além do dinheiro, caso precise levar em lavanderia, por exemplo), além de dizer se aquele preço está de acordo com o tecido. Tem MUITA peça de tecido sintético como o poliéster sendo vendida a preço de seda!

  • O caimento da peça: é a performance da roupa no corpo, que só dá pra avaliar vestindo mesmo. Tem peça que cai perfeita, e tem peça que fica torta, repuxando, com o botão aberto, com a costura aparecendo, com o decote abrindo mais do que deveria… Então, nada de ficar parada no provador como se fosse a manequim da loja! A peça precisa funcionar no dia a dia, então ande pelo corredor, abaixe, sente, levante os braços, faça movimentos do seu cotidiano pra não ter surpresas desagradáveis depois.
  • O acabamento da peça: Eu já mostrei várias vezes no instagram que a peça precisa ser tão bonita do lado de dentro quanto do lado de fora, porque esse cuidado faz com que a peça dure mais e pareça ter mais qualidade (porque tem mesmo!!). Esse acabamento bacana que vai garantir que as estampas se encontrem, que o forro não apareça, que as costuras sejam reforçadas…
  • O tamanho da peça: Esse item rende uns 3 textos no mínimo (e eles vão rolar), mas precisamos começar entendendo que apesar de as marcas não seguirem um padrão de tamanho, você precisa comprar o tamanho certo pra aquela modelagem, independente do número que está na etiqueta! Como exemplo, imagine que eu, que visto 34/PP quero comprar uma calça larguinha. O ideal é eu comprar uma calça pijama, jogging, boyfriend, pantalona ou qualquer modelagem que tenha sido feita para ser larga, e não uma calça reta, skinny ou legging tamanho 36 pra ficar mais larga no meu corpo, por ser um tamanho maior. O problema aqui não é o número da etiqueta, e sim a modelagem, porque cada uma cai no corpo de um jeito diferente.

Olhando essas etiquetas aqui, em cima da mesa da loja, elas parecem inofensivas… mas coladas na roupa parecem ter o poder de mudar a percepção que algumas pessoas têm do seu corpo e acabar com a autoestima. 😔 . . Eu queria que você soubesse que o nosso valor está muito além dessas letras ou números e que você não devia condicionar o seu amor próprio a isso. . . Uma vez eu mandei referências de peças de uma loja para uma cliente que veste 44, e ela não quis comprar porque naquela loja, 44 estava na sessão plus size (erradamente). Só depois de explicar sobre falta de padrões das marcas e dizer que a forma como a roupa veste o corpo dela era mais importante que o número que aparecia na etiqueta que ela decidiu experimentar e ver que as peças deixavam o corpo dela bonito, apesar do rótulo da loja e da etiqueta. Isso acontece também na hora de pedir um tamanho diferente do que a cliente está acostumada a vestir… mas não deveria! . . Você é mais que um número. Não espere esse número ser diferente do atual para se amar! 💪❤ . . . #consultoriadeestilo #personalstylist #estilo #estilopessoal #vestindoautoestima #autoestima #vocêélinda #vistaquemvocêé #bodypositive

A post shared by Vestindo Autoestima (@vestindoautoestima) on

  • Preço: Como eu falei antes, cada pessoa tem um conceito de caro e barato, mas aqui vale uma dica a mais. Se o preço for a primeira qualidade da peça, existem grandes chances de você fazer uma compra errada. Lembra da etapa de compras que eu fiz com a cliente no brechó, que ela pagou R$38 por peça? Eu fui lá porque sabia que os preços eram baixos, mas principalmente porque sabia que ia ter peças de qualidade, e em momento nenhum eu ou ela pensamos em levar alguma peça só porque custava R$38. Existe uma diferença entre 1- você ver uma peça da sua coloração, gostar da modelagem no cabide, saber que ela combina com o que você tem e com a sua rotina, olhar a etiqueta do preço e saber que ela custa R$38, experimentar e gostar de como ela veste o seu corpo, e 2- você ver que a loja está em promoção, ver uma peça que você acha bonita custando R$38 e levar pra casa porque não podia perder a oportunidade. Pra comprar como uma consultora de estilo você precisa considerar o preço sim, mas lembrando que uma peça barata parada no guarda-roupas é mais cara que uma roupa que custou 3 vezes mais e você usa sempre!

A etapa de personal shopping é um assunto é super complexo, tem vários detalhes e nem de longe eu falei tudo que poderia falar pra você aprender a comprar como uma consultora de estilo, mas como esses vídeos renderam muitos comentários e perguntas por email, inbox e redes sociais, achei que valia a pena dar uma pincelada nos principais pontos, pra te ajudar a comprar melhor, porque ao contrário do que algumas pessoas pensam, consultoria de estilo é sinônimo de cofrinho cheio, guarda-roupas com o suficiente e autoestima lá em cima! 🙂

E se apesar de todas essas dicas, você precisar de ajuda, clica aqui e me chama!

Facebook Comments

2 Comments

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *